16 de jun de 2015

ESCREVER

Nossa... faz muito tempo que eu não venho aqui, né?! É que meu dia a dia tava meio corrido, mas consegui um pouco de tempo pra voltar a compartilhar com vocês minhas emoções e sentimentos. 
O que eu gostaria de falar hoje é sobre a arte de escrever. Não acho que eu escrevo bem. Na verdade, nunca fui muito boa com palavras. Me lembro que minha mãe sempre elogiava meus trabalhos de poesia quando eu era mais nova, mas tudo não passava de uma ilusão. Mas o que acho mais intrigante é quem sabe escrever. Belas e sábias palavras, que num arranjo diferente conseguem transmitir uma mensagem. Impressionante como essas pessoas permitem o talento florescer através dessa arte. Arte impossível pra mim. 
Deve ser por isso que eu admiro tanto. Palavras, de um tempo pra cá, não são como antes, letras amontoadas que formam frases. Palavras, assim como monumentos, quando escolhidas e montadas, formam estruturas arquitetônicas belíssimas, as quais me deixam em estado de choque, me levando a pensar como determinada pessoa foi capaz de transmitir uma mensagem através de orações pensadas. 
O pensador, que tenho admirado bastante, é Carlos Drummond de Andrade. Não sei se só eu me identifico com suas frases, mas são encantadoras. 


"Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar".
"Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade".
"Não é fácil ter paciência diante dos que a têm em excesso".

Não são só os grandes poetas que me intrigam. Aqueles que transformam as palavras, frases, orações, em música, se destacam também. Gabriel, O Pensador, vem se mostrando um grande sábio; não rima só por rimar; ele sabe articular as palavras em forma de canção, de modo que elas compõem uma mensagem.

Ultimamente, venho fazendo análises de algumas músicas. Sendo honesta, não fui capaz de compreender essa letra só (se quiser saber seu significado, procure aqui). Essa canção, de Engenheiros do Hawaii, me trouxe a um estado de reflexão. Não sobre o capitalismo, em si, mas sobre a arte da palavra. Como uma pessoa foi capaz de escrever a música, de forma tão planejada e espontânea ao mesmo tempo? Deixo essa pergunta de reflexão pra vocês. 


Não sei se consegui passar a mensagem que desejava, mas foi a única forma de me expressar. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário